quinta-feira, 22 de fevereiro de 2018

Poder de reação e evolução física


PODER DE REAÇÃO E EVOLUÇÃO FÍSICA

Daniel Lima

Um dos pontos questionados nas primeiras exibições da temporada foi o cansaço físico dos jogadores. Assim como o técnico Júnior Rocha, o elenco se queixa recorrentemente do desgaste excessivo por conta da maratona de partidas. Ainda por cima, não há tempo para descansar devido ao intervalo curto de um jogo para o outro. Além de mostrar um poder de reação ao aplicar uma virada sobre o CRB/AL por 2x1, no estádio do Arruda, pela 3ª rodada do Grupo A da Copa do Nordeste, o Santa Cruz apresentou uma evolução física.
“A gente se superou fisicamente diante do Náutico e agora contra uma equipe que é uma das favoritas da Copa do Nordeste. Mas podemos evoluir mais. O nosso grupo vem crescendo”, analisou o treinador coral.
Logo depois da vitória conquistada, os atletas tricolores ressaltaram a força da equipe para reverter o placar no segundo tempo. “Pelo que vínhamos fazendo, a virada coroou o nosso esforço. O grupo mostrou que é forte e não desistiu em nenhum momento”, declarou o volante Luiz Otávio. Já o atacante Augusto enalteceu o trabalho do elenco. “Conseguimos virar o jogo e a evolução vem sendo mostrada. Os resultados provam isso”, pontuou.


Fonte: Folha de Pernambuco, 21/02/2018

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

Santa Cruz completa 1.500 partidas de futebol no Arruda, com 59% de vitórias


SANTA CRUZ COMPLETA 1.500 PARTIDAS DE FUTEBOL NO ARRUDA, COM 59% DE VITÓRIAS

Cassio Zirpoli

 
A vitória do Santa Cruz sobre CRB, pelo Nordestão de 2018, marcou a 1.500ª apresentação do tricolor no Estádio José do Rego Maciel. Apesar da inauguração oficial em 4 de junho de 1972, com a conclusão do anel inferior, o Mundão recebeu o seu primeiro amistoso em 1965 e as primeiras partidas em competições oficiais em 1967. Ou seja, são 53 anos de atividade no campo da Avenida Beberibe. Por isso, a atualização da pesquisa de Carlos Celso Cordeiro segue à parte do ‘Alcapão do Arruda’, contando apenas o ‘Colosso do Arruda’, apelido recebido já no primeiro lance de arquibancada construído, inclusive com a inversão do campo de futebol no terreno.
Neste recorte, os corais detém um aproveitamento de 67,4%, considerando 3 pontos por vitória e 1 por empate em todos os jogos realizados.

A seguir, as marcas do Mundão considerando a presença do Santa Cruz…

Santa Cruz no Arruda* (1965-2018)
1.500 jogos
893 vitórias (59,5%)
356 empates (23,7%)
251 derrotas (16,7%)
* Competições oficiais e amistosos do time principal

O primeiro jogo
Foto de 14 de abril de 1965, com o 1º lance de arquibancada do Arruda. Na ocasião, o clube iniciou a venda de 500 cadeiras cativas ao custo de 440 mil cruzeiros. A comissão patrimonial agendou um amistoso para 21 de novembro daquele ano para apresentar o andamento da obra. Santa Cruz e América empataram em 1 x 1. Agra marcou para o alviverde e Geninho empatou. A peleja teve 2.804 espectadores – a maioria em pé ao redor do campo.

O primeiro jogo internacional
“Batismo internacional do futuro estádio do Arruda apresentou triunfo do Santa Cruz sobre Belenenses”. Eram outros tempos na cobertura esportiva, tanto que esta aspa foi o título da reportagem sobre a vitória coral sobre o time português por 2 x 1, num amistoso em 15 de maio de 1966. Curiosidade: na véspera, cada time treinou num lado do campo, ainda cercado por coqueiros.

O primeiro título
Em 6 de setembro de 1970 o Santa Cruz conquistou o seu primeiro título no Arruda. No terceiro jogo da ‘melhor de três’ pela taça do campeonato estadual, diante do Náutico, a cobra coral fez 2 x 0, gols de Cuica e Ramon, diante de 25.012 torcedores – num palco em construção. Curiosamente, o time não deu a volta olímpica pelo bi, indo logo para os vestiários após o apito final.

A maior goleada
Em 9 de março de 1969, em jogo válido pela quarta rodada do 1º turno do Estadual, o Santa Cruz goleou o Santo Amaro por 15 x 2. Os gols tricolores: Fernando Santana (5), Mirobaldo (4), Joel (2), Uriel (2), Zito (1) e Luciano (1). Os corais abriram 5 x 0 com 14 minutos, diante de 3.507 espectadores. No Diario de Pernambuco, o destaque: “a maior goleada dos últimos tempos”.

O maior artilheiro
O atacante capixaba Betinho teve três passagens no Santa Cruz, 1971-1973, 1976-1981 e 1982. Ao todo, conquistou cinco títulos pernambucanos e marcou 98 gols no Mundão, sendo o maior goleador do estádio com a camisa coral – o jogador assinalou, inclusive, o 1º gol após a inauguração oficial, em 7 de junho de 1972, na vitória tricolor sobre a Seleção Brasileira Olímpica.

O maior público
Em 21 de fevereiro de 1999, o volante argentino Mancuso disputou o seu primeiro clássico com a camisa do Santa Cruz, num duelo à parte com o atacante rubro-negro Leonardo. E as multidões foram ao Arruda conferir in loco, com 71.197 pagantes, chegando a um público total de 78.391. À vera, havia mais devido à invasão e aos ingressos iô-iô. Na época, fontes estimaram o público real em 90 mil torcedores. Empate em 1 x 1.

Fonte: Diario de Pernambuco, 20/02/2018


Santa Cruz 2 x 1 CRB


SANTA CRUZ 2 x 1 CRB

O Santa Cruz demorou, mas enfim encontrou a tranquilidade na temporada 2018. Na noite desta terça (20), no Arruda, o Tricolor venceu mais uma pela Copa do Nordeste. Após sair atrás do placar, a Cobra Coral virou para cima do CRB/AL, venceu por 2x1, e chegou a sete pontos em três jogos, ocupando a liderança do Grupo A do Nordestão.
Apesar do triunfo, os donos da casa não tiveram vida fácil no confronto de ontem. Tivesse o CRB/AL uma melhor pontaria, o clube pernambucano poderia estar lamentando hoje mais uma derrota. Somente nos 12 primeiros minutos, o time alagoano chegou com perigo ao gol do Santa em, pelo menos, três ocasiões. Muito por conta dos espaços deixados pelo Santa.
Tamanha pressão acabou surtindo efeito ao final do primeiro tempo. Já nos acréscimos, aos 46 minutos, Willians Santana exigiu grande defesa de Tiago Machowski, em chute rasteiro. No rebote, contudo, não teve jeito. Edson Ratinho, livre de marcação, completou para o gol aberto. O Tricolor foi para o intervalo em desvantagem.
Bastou os corais voltarem do vestiário para mostrar que não iam entregar os pontos de forma tão passiva. Aos oito minutos da etapa final, Augusto perdeu uma chance incrível de gol. Pouco depois, enfim, o gol do time da casa. Após cruzamento da direita, a defesa alvirrubra bateu cabeça, Héricles ficou com a sobra, tirou dos zagueiros e anotou o gol de empate.
E o clube mandante não estava disposto a se contentar somente com o empate. Embora tenha mostrado certa desorganização, o Tricolor foi para cima do adversário. A vitória era o que importava. Aos 27 minutos, a vantagem foi alcançada. Augusto cruzou da direita. Flávio Boaventura cortou mal. A bola sobrou para Robinho fazer o gol da virada e da redentora vitória do Santa Cruz.

FICHA TÉCNICA


SANTA CRUZ: Tiago Machowski; João Ananias, Augusto Silva, Genílson e Ávila; Jorginho, Luiz Otávio e Daniel Sobralense; Augusto (Fabinho Alves), Robinho e Héricles (Ilaílson). Técnico: Júnior Rocha.

CRB: João Carlos; Ayrton, Boaventura, Anderson Conceição e Manoel (Ruan); Serginho, Feijão, Edson Ratinho e Rafael Bastos (Juninho Potiguar); Willians Santana e Neto Baiano (Marcão). Técnico: Mazola Júnior.

Local: estádio do Arruda (Recife/PE). Horário: 21h45. Árbitro: Zandick Gondim Alves Junior (RN). Assistentes: Francisco de Assis da Hora e Ruan Neres Souza de Queiros (ambos do RN). Gols: Edson Ratinho, aos 46 minutos do 1ºT; Héricles, aos 10 minutos, e Robinho, aos 27 minutos do 2º T. Cartões amarelos: Ávila (Santa); Rafael Bastos, Manoel (CRB). Público: 3.015. Renda: R$ 14.460.


Fonte: Folha de Pernambuco, 20/02/2018
 

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Santa Cruz x CRB vale liderança do Grupo A do Nordestão


SANTA CRUZ X CRB VALE LIDERANÇA DO GRUPO A DO NORDESTÃO

Daniel Lima

Santa Cruz e CRB/AL medem forças no fechamento dos jogos de ida da primeira fase da Copa do Nordeste 2018. O duelo entre pernambucanos e alagoanos, vice e líder, respectivamente, hoje, no estádio do Arruda, às 21h45, pela 3ª rodada, vale a liderança do Grupo A. Invictos no regional, tricolores (uma vitória e um empate, com quatro pontos) e regatianos (duas vitórias, com seis pontos) são os favoritos à classificação para as quartas de final.
Mesmo com quatro jogos de invencibilidade - duas vitórias e dois empates -, além de não tomar gol há três partidas, o técnico Júnior Rocha cobra uma maior competitividade do time. “A ideia é aumentar a concorrência entre eles (atletas). Assim, os jogadores ficam mais atentos e a tendência é que se doem mais", declarou.
Dos nove jogos disputados pelo Santa em 2018, quatro deles foram como mandante, todos no José do Rego Maciel. Até aqui, uma vitória (sobre o Treze/PB por 3x0, pela rodada passada do Nordestão) e três empates (pelo Estadual), com um aproveitamento de 50%.
“Vai ser um jogo difícil, mas estamos em casa e temos que mostrar nossa força. Precisamos manter a pegada das últimas partidas”, disse o atacante Fabinho Alves sobre a invencibilidade da Cobra Coral dentro de seus domínios.
 

Indefinição

No último e único treinamento, ontem à tarde, no Arruda, antes de enfrentar o Galo da Pajuçara, o treinador coral esboçou a escalação, mas tem dúvidas para armar o time titular. A equipe de cima treinou com Tiago Machowski; João Ananias, Genilson, Augusto Silva e Paulo Henrique; Luiz Otávio, Jorginho, Hericles e Daniel Sobralense; Robinho e Augusto.
Além dos desfalques certos - lateral-direito Vítor e meia Jeremias, ambos machucados e ausências pela segunda partida seguida -, o Tricolor pode ter mais problemas. O lateral-esquerdo Henrique Ávila acabou se chocando com o atacante Robinho ao disputar a bola durante o trabalho recreativo e machucou o pé. Após levar a pior na dividida, teve que sair mais cedo do treino e deve ficar fora de combate. Além disso, o meia Arthur Rezende e o atacante Vinícius não participaram da atividade tática no gramado e são dúvidas.


Fonte: Folha de Pernambuco, 20/02/2018

Santa Cruz 0 x 0 Náutico


SANTA CRUZ 0 x 0 NÁUTICO

Daniel Leal

No primeiro Clássico das Emoções de 2018, um empate justo. Em uma partida bastante equilibrada, sobretudo no segundo tempo quando os donos da casa conseguiram igualar mais as ações da partida, Santa Cruz e Náutico ficaram no 0 a 0, na noite deste sábado, no Arruda. Se o Timbu foi melhor na primeira etapa, os tricolores saíram reclamando - e com razão - de um gol de Augusto mal anulado pela arbitragem. O resultado manteve o Alvirrubro na liderança do Campeonato Pernambucano, com 12 pontos - cinco à frente do Tricolor, quinto colocado.
O Santa Cruz volta a campo na próxima terça-feira, quando recebe o CRB, no Arruda, pela Copa do Nordeste. O Timbu, por sua vez, joga no mesmo dia contra o Afogados, na Arena de Pernambuco, pelo Estadual.

O jogo


O Náutico foi superior ao Santa Cruz nos 46 minutos de primeiro tempo. Praticamente de ponta a ponta. Perdeu pelo menos duas chances claríssimas de gol. Poderia ter ido para o intervalo vencendo tranquilamente. Poderia também sair perdendo. Na última jogada da etapa inicial, um lance crucial: Ávila cruzou e Augusto balançou as redes. A arbitragem assinalou um impedimento que não aconteceu. O empate em 0 a 0 deixou os dois lados insatisfeitos na saída para o intervalo.
Zero no placar que ficou sobretudo por falta de capricho do Timbu. Armado para o contra-ataque, o Náutico esperou o rival na defesa. O Tricolor cansou de errar passes e dar a chance do contragolpe em velocidade. Foi assim que, aos 14, Júnior Timbó soltou uma bomba, Tiago Machowski defendeu bem, mas deu rebote. Medina perdeu uma chance incrível. Aos 27, Wallace Pernambucano perdeu outra chance clara. Aos 34, Timbó acertou o travessão em cobrança de escanteio.
O Santa Cruz só assustou pela primeira vez aos 39, quando Ávila cobrou escanteio e o goleiro Bruno saiu errado. Josa salvou o gol de Vinícius. Melhor, o Timbu ainda perdeu uma chance com Camutanga, uma jogada antes do gol anulado que sairia pelo lado coral.

Em um jogo bastante aberto no primeiro tempo, equipes fizeram um jogo movimentado na etapa inicial, com o Náutico tendo o maior volume de chances ofensivas. Wallace teve um gol invalidado, em posição irregular. Augusto também marcou um gol para o tricolor, mas a arbitragem errou no lance e marcou impedimento de Vinícius.

Segundo tempo


Na volta do intervalo, o Santa Cruz voltou com uma proposta diferente. Passou a tentar marcar a saída de bola do Náutico. Evitou correr mais riscos na defesa. Em princípio, funcionou. Logo aos 3 minutos, Vinícius testou a primeira com perigo. Não tardou, porém, para o Náutico encontrar brechas e voltar a ser levemente superior. Aos 9, Ilaílson errou na saída de jogo, Fernadinho arrancou com a bola e parou em grande intervenção de Machowski.
Após o bom início, o segundo tempo caiu drasticamente de nível técnico a partir dos 15 minutos. As duas equipes passaram a errar muitos passes. A marcação passou a se sobressair ainda mais sobre a criatividade. Arriscando-se pouco ao ataque, os dois times encaminharam o 0 a 0 até o apito final.
 

Ficha do jogo

SANTA CRUZ: Tiago Machowski; Ítalo (Ilaílson), Genílson, Augusto Silva e Henrique Ávila; Jorginho, Luiz Otávio e Arthur Rezende (Héricles); Augusto, Robinho e Vinícius (Fabinho Alves). Técnico: Júnior Rocha.

NÁUTICO: Bruno; Thiago Ennes, Breno Calixto, Camutanga e Kevyn; Negretti, Josa e Júnior Timbó (Tharcysio); Medina (Rafael Assis), Fernandinho (Robinho) e Wallace Pernambucano. Técnico: Roberto Fernandes.

Local: Arruda, no Recife. Árbitro: Luiz Sobral (PE). Assistentes: Cleberson Nascimento (PE) e Francisco Chaves (PE). Cartões amarelos: Augusto (S); Negretti (N). Público: 6.015. Renda: R$ 63.360,00.


Fonte: Diario de Pernambuco, 17/02/2018

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Santa Cruz respira no Estadual, mas mira G4 por vantagem


SANTA CRUZ RESPIRA NO ESTADUAL, MAS MIRA G4 POR VANTAGEM

Daniel Lima

Enfim o Santa Cruz desencantou no Campeonato Pernambucano. Com a primeira vitória conquistada – sobre o Afogados da Ingazeira por 1x0, no estádio Vianão, Sertão do estado –, apenas na 6ª rodada, a equipe do técnico Júnior Rocha dá uma respirada no Estadual antes do Clássico das Emoções, no sábado (17), no estádio do Arruda.
Após figurar no grupo dos oito que se classificam para os mata-matas, algo que ainda não tinha acontecido na temporada, os tricolores, que agora ocupam a 5ª posição na tábua de classificação, com seis pontos, miram ficar entre os quatro primeiros colocados já pensando numa possível vantagem de jogar em casa a partida única das quartas de final.
“Não ganhamos nada. E ainda não estamos bem na tabela, até porque temos que terminar entre os quatro melhores. Mas só vamos conseguir com calma e jogo a jogo. Não podemos achar que iremos ganhar de qualquer jeito. O futebol está muito competitivo”, comentou o treinador Júnior Rocha.
Depois de um início de ano desastroso, o Santa está conseguindo uma recuperação e emendou uma série de três jogos sem perder, com duas vitórias seguidas e um empate. Apesar da invencibilidade, o comandante coral exige pés no chão. “A gente vinha há vários jogos sem ganhar, mas agora são três partidas sem derrota”, pontuou.


Fonte: Folha de Pernambuco, 15/02/2018

quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Afogados 0 x 1 Santa Cruz


AFOGADOS 0 x 1 SANTA CRUZ

Daniel Lima

A Quarta-Feira de Cinzas não foi ingrata para o Santa Cruz, que conseguiu segurar o 1x0 construído ainda no primeiro tempo e derrotou o Afogados da Ingazeira, no estádio Vianão, pela 6ª rodada do Campeonato Pernambucano. A primeira vitória no Estadual fez os tricolores saltarem da vice-lanterna (10ª posição) para a 5ª colocação, com seis pontos conquistados. O próximo compromisso será o Clássico das Emoções, contra o Náutico, no sábado (17), às 18h30, no Arruda.
Em primeiro tempo morno e com poucas chances de gol, Santa e Afogados mostraram muita disposição dentro de campo, mas a falta de criação das equipes manteve o placar zerado até os 35 minutos. Sem sucesso na troca de passes, os tricolores aproveitaram a bola parada para sair na frente. Após cobrança de escanteio do lateral-esquerdo Henrique Ávila, o zagueiro Augusto Silva subiu mais alto e cabeceou para o fundo das redes. A vantagem construída soltou o time do técnico Júnior Rocha, que por pouco não ampliou o placar. Parou no goleiro Evandrizio e no travessão nas chegadas de Henrique Ávila pelo lado esquerdo nos minutos finais da etapa inicial, finalizada em 1x0 para a Cobra Coral.
A estratégia do Santa Cruz no segundo tempo era explorar os contra-ataques para voltar a balançar as redes do adversário e ganhar folga no marcador. Os donos da casa corriam atrás do prejuízo, mas davam sinais de desespero e insistiam nas jogadas aéreas. Com uma postura mais retraída, a equipe coral aparentava estar desgastada fisicamente e sofria momentos de aperto. Mesmo cansado, os tricolores suportaram a pressão, com muita raça, nos últimos minutos e conquistaram a segunda vitória consecutiva na temporada 2018, emendando a melhor sequência após oito jogos oficiais.
 

Ficha técnica

AFOGADOS: Evandrizio; Thyego (Rosivaldo), Algodão, Oseas e Thalison; Madson, Douglas (Lenilson) e Tarcísio; Roger, Etinho e Willian (Hugo). Técnico: Pedro Manta.

SANTA CRUZ: Ricardo Ernesto; João Ananias, Genílson, Augusto Silva, Henrique Ávila; Luiz Otávio, Jorginho (Ilaílson) e Arthur Rezende (Hericles); Augusto, Robinho e Vinícius (Renato Silveira). Técnico: Júnior Rocha.


Local: estádio Valdemar Viana de Araújo (Vianão), em Afogados da Ingazeira/PE. Árbitro: Pericles Bassols Pegado Cortez (PE). Assistentes: Ricardo Bezerra Chianca e Bruno Cesar Chaves Vieira (ambos de PE). Gols: Augusto Silva (aos 35 min do 1T). Cartões amarelos: Jorginho (Santa Cruz) e Algodão (Afogados da Ingazeira). Público e Renda: não divulgados.


Fonte: Folha de Pernambuco, 14/02/2018

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Santa Cruz viaja para enfrentar o Afogados


SANTA CRUZ VIAJA PARA ENFRENTAR O AFOGADOS

Diego Borges

Após conquistar a primeira vitória na temporada, ao bater o Treze pela Copa do Nordeste, o Santa Cruz viajou 381 km até Afogados da Ingazeira, onde enfrenta o time homônimo da cidade nesta quarta-feira, às 20h, para tentar embalar e buscar também o primeiro triunfo no Pernambucano. Entretanto, o Tricolor precisará superar a ausência de três titulares e um substituto imediato, além de um adversário também empolgado.
Sem ter o lateral direito Vítor, o técnico Júnior Rocha perdeu ainda o goleiro Tiago Machowski e o meia Jeremias, vetados pelo departamento médico. Além deles, o substituto imediato para a ala, Ítalo, foi suspenso em dois jogos por expulsão na partida contra o América, na segunda rodada.
Apesar dos problemas o treinador não fez mistério e definiu o time com Ricardo Ernesto no gol, João Ananias na ala-direita, retornando ao setor que defendia nas categorias de base do Náutico e o atacante Augusto.
 

Adversário

Assim como os corais, a Coruja também conquistou a sua primeira vitória na temporada na última partida que disputou, ao bater o Flamengo em Arcoverde. O Afogados ganhou ainda uma posição na tabela após a goleada sofrida pelo Salgueiro nesta sexta rodada. Como se já não bastasse a empolgação, o confronto desta quarta marca um dia histórico para a cidade do Sertão do Pajeú, que pela primeira vez receber um grande clube da capital no estádio Vianão.
 

Fonte: Diario de Pernambuco, 14/02/2018

13ª edição da Troça Minha Cobra mantém tradição em Olinda


13ª EDIÇÃO DA TROÇA MINHA COBRA MANTÉM TRADIÇÃO EM OLINDA

Daniel Lima

Tradicionalmente na segunda-feira de Carnaval, a Troça Carnavalesca Mista Ofídica, Erótica e Etílica Minha Cobra colore Olinda de preto, branco e vermelho e arrasta multidões pelas ladeiras. A concentração é no Largo do Bonsucesso, em frente à sede do Homem da Meia Noite, a partir das 9h. Durante o percurso, a Cobra Coral, de 27,5 metros de comprimento, acompanha os foliões, que tomam as ruas com muita animação, caem no passo e fazem uma festa em três cores. Fundado em 2005 por um grupo de torcedores, a troça homenageia o ilustre massagista Catatau em sua 13ª edição.
A Minha Cobra sai do Largo do Bonsucesso, pega o Largo do Amparo, passa pelos Quatro Cantos, atravessa a Ribeira e a Prefeitura, terminando na rua da Boa Hora. Como de praxe, a animação dos torcedores do Santa não para ao longo do trajeto. Muitos gritos de arquibancadas são entoados pelos corais, como o tradicional "Tri-tricolor" aos cantos mais recentes como "Nunca vou te abandonar". O repertório também é recheado de músicas carnavalescas tocadas pela orquestra, como as canções "De corpo e alma" e "Papa-taças", levando a multidão ao delírio.


Fonte: Folha de Pernambuco, 12/02/2018

domingo, 11 de fevereiro de 2018

De massagista a ídolo: Catatau é homenageado no carnaval


DE MASSAGISTA A ÍDOLO: CATATAU É HOMENAGEADO NO CARNAVAL

Daniel Lima


Tradicionalmente na segunda-feira de Carnaval, a Troça Carnavalesca Mista Ofídica, Erótica e Etílica Minha Cobra colore Olinda de preto, branco e vermelho e arrasta multidões pelas ladeiras. A concentração é no Largo do Bonsucesso, em frente à sede do Homem da Meia Noite, a partir das 9h. Durante o percurso, a Cobra Coral, de 27,5 metros de comprimento, acompanha os foliões, que tomam as ruas com muita animação, caem no passo e fazem uma festa em três cores. Fundado em 2005 por um grupo de torcedores, o bloco homenageia o ilustre massagista Catatau em sua 13ª edição.
A vida de Fernando José Mendes (Catatau) está diretamente ligada à história do Santa. São mais de 23 anos acompanhando com os próprios olhos cada passo do clube do povo. Uma paixão inexplicável que segue firme até os dias de hoje. Casado, pai de quatro filhos e morador do bairro Alto José do Pinho, comunidade do Recife, ele é uma lenda viva e a sua alegria diária contagia o ambiente do Arruda. A identificação com a torcida o tornou ídolo tricolor. O carisma e o sorriso sempre estampado no rosto dizem muito o quanto o baixinho é querido e amoroso.
Além de massagista, Catatau trabalha há 25 anos como enfermeiro do hospital Maria Lucinda, no bairro do Parnamirim, localizado na Zona Norte do Recife. Seu dia a dia é puxado, mas mesmo assim encontra tempo para conciliar suas atividades e mostra muita disposição para exercer as duas funções.

Confira a entrevista que o profissional concedeu à Folha de Pernambuco:

Apego


Torcedor declarado, o fanatismo pelo Santa é algo antigo. Desde 1970 existe uma admiração profunda. “Toda a minha família é tricolor. Somos torcedores doentes. É uma paixão antiga e difícil de ser explicada”, disse.

Convite

Em 1998, o técnico Nereu Pinheiro convidou Catatau para se tornar funcionário do clube. De lá pra cá, são mais de duas décadas nas Repúblicas Independentes do Arruda, acumulando muitas glórias, inúmeras lembranças, títulos, uma série de jogos memoráveis e, claro, momentos de alegrias e tristezas. “Cheguei aqui na década de 90. Comecei prestando serviço e depois me contrataram. Sempre fui um torcedor apaixonado e uni o útil ao agradável”, relembrou.

Símbolo

O seu pique à beira do gramado rouba a cena nos jogos. A corrida em alta velocidade para chamar o jogador, após pedido do técnico, é uma marca registrada. “Tudo começou no Alto José do Pinho, quando descia a ladeira de lá correndo. Sempre gostei de fazer isso e até hoje nunca mudei o meu estilo”, brincou.

Personagem

Quando está fora do ambiente de trabalho, é tratado como ídolo. Seus fãs pedem para tirar fotos e autógrafos. “Eu não acho que sou isso tudo, mas aconteceu né? Fico orgulhoso com essa torcida. É uma nação apaixonada por mim”, sorriu.

Fonte: Folha de Pernambuco, 10/02/2018

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Náutico x Santa Cruz na rodada de abertura da Série C


NÁUTICO X SANTA CRUZ NA RODADA DE ABERTURA DA SÉRIE C

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) divulgou a tabela básica do Brasileiro da Série C, que este ano conta com as participações de três pernambucanos, Náutico, Santa Cruz, recém-rebaixados, e o Salgueiro, que já disputa a competição desde 2012. 
E a Série C já vai começar pegando fogo, com um clássico pernambucano. Náutico e Santa Cruz se enfrentam pela primeira rodada da competição, com possibilidade de duas datas 14/04 (sábado) ou 15/04 (domingo). O mando de campo é do Timbu e, por enquanto, a equipe realiza suas partidas na Arena de Pernambuco. A promessa da direção alvirrubra, porém, é disputar o campeonato já nos Aflitos, que está atualmente em reforma. 
O Salgueiro, por sua vez, estreia na Série C contra o Botafogo-PB, no estádio Cornélio de Barros, Sertão pernambucano. As datas separadas para o confronto são as mesmas 14/04 (sábado) ou 15/04 (domingo). 

Confira a tabela básica dos pernambucanos abaixo ou completa no site da CBF:

1ª rodada - 14/04 ou 15/04 
Náutico x Santa Cruz
Salgueiro x Botafogo-PB

2ª rodada - 21/04 ou 22/04 
Santa Cruz x Atlético-AC
Botafogo-PB x Náutico
Confiança x Salgueiro

3ª rodada - 28/04 ou 29/04
Santa Cruz x ABC-RN
Globo-RN x Salgueiro
Atlético-AC x Náutico

4ª rodada - 05/05 ou 06/05
Náutico x Confiança-SE
Remo x Santa Cruz
Salgueiro x Atlético-AC

5ª rodada - 12/05 ou 13/05 
Náutico x Salgueiro
Globo-RN x Santa Cruz

6ª rodada - 19/05 ou 20/05
Santa Cruz x Botafogo-PB
Salgueiro x ABC-RN
Juiazeirense-BA x Náutico

7ª rodada - 26/05 ou 27/05 
Náutico x Globo-RN
Salgueiro x Juiazeirense-BA
Confiança-SE x Santa Cruz

8ª rodada - 02/06 ou 03/06
Santa cruz x Juiazeirense-BA
ABC-RN x Náutico
Remo x Salgueiro

9ª rodada - 09/06 ou 10/06
Náutico x Remo
Salgueiro x Santa Cruz 

Fonte: Diario de Pernambuco, 08/02/2018

Santa Cruz negocia com o zagueiro Danny Morais


SANTA CRUZ NEGOCIA COM O ZAGUEIRO DANNY MORAIS

Daniel Lima

Além da contratação de dois atacantes - centroavante e ponta -, a diretoria do Santa Cruz ainda busca reforçar o sistema defensivo com mais um zagueiro. O diretor Felipe Rego Barros confirmou a negociação com o defensor Danny Morais, que pode ser repatriado após duas temporadas no Arruda (2015-16), onde virou referência por sua liderança e conquistou três títulos (dois pernambucanos e uma Copa do Nordeste) e um acesso à Série A.
Depois de mais de 100 jogos pelo clube, o experiente defensor, de 32 anos, acertou sua ida no início de 2017 para o Busan IPark, da Coreia do Sul (disputou 20 partidas e marcou um gol). 


Fonte: Folha de Pernambuco, 08/02/2018

quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

Júnior Rocha admite passo atrás


JÚNIOR ROCHA ADMITE PASSO ATRÁS

Daniel Leal

Foram seis partidas sem vencer na temporada. Período que rendeu uma precoce e duríssima eliminação do Santa Cruz na Copa do Brasil. Resultados que levaram o Tricolor, por exemplo, à zona de rebaixamento do Campeonato Pernambucano. Não restou ao técnico Júnior Rocha, pressionado no cargo, outra alternativa senão a de mudar. Era preciso, de fato, fazer algo diferente. Contra o Treze, nesta quarta-feira, o treinador colocou em prática algumas alterações na estratégia de jogo tricolor. Funcionou: vitória por 3 a 0 e alívio geral no Arruda.
"Mudamos um pouco o modelo de jogo. A gente viu que a rapaziada estava sentindo demais propor o jogo, ainda mais quando a fase não é boa. Começamos o ano com uma exigência grande em todos os aspectos, principalmente na entrega. E mudamos. Quando não se tem as peças, não adianta ficar insistindo. Priorizamos a organização, a competitividade e as coisas estão dando certo. A equipe evoluiu bastante no aspecto tático e na entrega. Hoje fomos contemplados com a vitória", ressaltou o treinador tricolor.
Diante do Treze, o Santa Cruz foi uma equipe que priorizou a defesa. Esperou o adversário no campo de defesa. Soube ser eficiente no que o técnico propôs para o time: os contra-ataques. Foi assim, mortal, que o time superou com justiça o rival paraibano no Arruda.
"Não adianta insistir quando não se tem tempo para trabalhar. É difícil construir contra um adversário que joga fechado, com as linhas próximas. Hoje os atletas foram eficientes e capazes de fazer o que treinamos", pontuou. 


Fonte: Diario de Pernambuco, 07/02/2018

Jeremias sonha alto no Santa


JEREMIAS SONHA ALTO NO SANTA CRUZ

Daniel Lima

Autor de um dos três gols da vitória de goleada sobre o Treze/PB pelo placar de 3x0, o meia Jeremias jogou todas as sete partidas disputadas pelo Santa Cruz na temporada, sendo titular em seis oportunidades. Elogiado pelo técnico Júnior Rocha nas entrevistas coletivas, o jovem de 20 anos espera se firmar na equipe e alçar voos maiores na carreira, mas, para isso, sabe que precisa ganhar destaque no Arruda.
“Estou muito feliz e num clube que é bastante visado. Consegui marcar um gol e ajudei o Santa Cruz. Espero continuar assim para atingir os objetivos. Vários jogadores saíram daqui e cresceram. Estou focado e quero tentar sair para um clube de Série A", declarou.
Artilheiro do Santa em 2018 ao lado do meia Arthur Rezende, que também marcou dois gols, Jeremias tem atuado como ponta no esquema tático coral. Inclusive, ele revelou que se sente melhor jogando pelas beiradas do campo. Sem um centroavante nos três primeiros jogos, ele foi sacrificado pelo treinador, que o colocou para fazer a função de um falso 9 por conta da carência de um atacante de área. “Me sinto à vontade jogando pelos lados. Atuei também como um falso 9 e não senti dificuldades. Assimilei bem. Mas aberto eu jogo com mais facilidade”, comentou.
Sem alarde, o garoto chegou à base do Santa Cruz para disputar o Campeonato Pernambucano no ano passado e foi integrado ao elenco profissional no mês de agosto. Antes de chegar ao Arruda, o meia estava no Altos/PI – disputou o estadual, sagrou-se campeão e ainda jogou o Brasileiro da Série D, sendo eliminado na segunda fase –, mas é formado nas categorias inferiores do Porto de Caruaru. Lá, se destacou na Copa São Paulo de 2014. Ainda jogou dois anos nos juniores do Atlético/PR (2015-16).


Fonte: Folha de Pernambuco, 07/02/2018