segunda-feira, 10 de outubro de 2011

A um passo da Série C



Fotografias de Helder Tavares/DP

A UM PASSO DA SÉRIE C

Clóvis Campêlo

Ontem, não fui a Campina grande ver o jogo do Santa Cruz contra o Treze. Também não estava a fim de ficar em casa, ouvindo o jogo pelo rádio e me estressando desnecessariamente. Peguei a minha gata e me mandei para a orla de Olinda. O meu amigo Tuca Frazão havia me dado a notícia falsa de que, no Varadouro, haveria um ensaio do bloco carnavalesco Ceroulas. Não houve o desfile, mas aproveitamos o ensejo para tomar uma loiras suadas com caldinho de polvo. Uma delícia! A tarde morna e azul do verão trazia uma brisa agradável.
No intervalo do jogo, ligo para casa e Jorge, meu genro, informa que o Treze estava ganhando de 2x0 e com mais volume de jogo. Tremi na base e temi mais uma catástrofe. Voltei para a mesa e reforçamos a cerveja e o caldinho. Se o Santinha virasse o jogo já estaria no clima para comemorar. Se perdesse ou levasse uma goleada, placar que se insinuava no primeiro tempo do jogo, chegaria em casa devidamente anestesiado. Sabia também que independentemente do resultado de ontem ainda haveria o segundo jogo, no dia 16, no Estádio do Arruda. Nada de desespero, portanto. A esperança é sempre a última que morre e nós, tricolores do Arruda, estamos mais do que calejados nessa prática de sobrevivência.
A noite já começava a cair sobre o mar de Olinda, quando decido ligar o rádio do carro para ver como andava o jogo. Feliz da vida, escuto o locutor narrar o gol de empate do Santa Cruz, o terceiro no jogo, marcado por Fernando Gaúcho. O acaso não poderia ter sido mais generoso comigo. Vibrando muito, eu e minha gata escutamos os minutos finais do jogo e voltamos para casa felizes com o Santa, por ter reagido e se mantido vivo na disputa pela ascensão. Agora, é encarar a decisão do próximo domingo e garantir a vaga na Série C do próximo ano. Depois, lutar legitimamente pela conquista do título de Campeão da Série D, em 2011, o nosso primeiro título nacional.
Hoje, de alma lava e enxaguada, como diria Odorico Paragassu, e superada a minha crise de covardia auditiva, escrevo estas mal traçadas e emocionadas linhas. Por tudo o que já passamos até aqui, por toda a nossa capacidade de superação, acredito que merecemos o acesso e o título. Só depende de nós mesmos.
Ontem, no Estádio Amigão, em Campina Grande, mais uma vez acompanhado por sua fiel torcida, o Santa Cruz se superou e empatou em 3x3 com o Treze, atuando com Tiago Cardoso; Éverton Sena (Eduardo Arroz), André Oliveira e Leandro Souza; Memo, Chicão, Wesley, Natan (Bismarck) e Dutra; Ludemar (Fernando Gaúcho) e Tiago Cunha. Treinador, Zé Teodoro. Gols de Fernando Gaúcho (2) e Tiago Cunha.
Um time de guerreiros!

2 comentários:

Julio Vila Nova disse...

Pois é, Clóvis. Ficou sofrendo no rádio, até que descobri uma canal na internet que estava transmitindo, o tvreplay. Ainda deu pra ver o gol de empate.
Domingo será aquele espetáculo no Arruda! É preciso uma grande festa de despedida desta famigerada série D. Para nunca mais!

Raul Galvão disse...

É isso aí!! O Santa merece subir, e vai pra série A primeiro que o Sport.
Belo texto esse teu!!!Transformou um jogo de futebol em uma história com vários personagens!!!!