terça-feira, 20 de dezembro de 2011

Santa dispara e vence três campeonatos seguidos



SANTA DISPARA E VENCE TRÊS CAMPEONATOS SEGUIDOS


Givanildo Alves

Depois de perseguir o título durante 15 anos, ao longo dos quais foi várias vezes vice-campeão, o Santa Cruz conseguiu, finalmente, em 1931 conquistar um campeonato. Aliás, o primeiro de uma sequência de três consecutivos (1931-1932-1933), enchendo de alegria sua enorme torcida, já cansada de tanto esperar.
No ano do tri (1933), quatorze clubes foram inscritos para disputar o certame: América, Encruzilhada, Flamengo, Torre, Náutico, Santa Cruz, Varzeano, Sport, Íris, Israelita, Fluminense, Tuiuti, Great Western e Ateniense. A exemplo do que ocorrera no ano anterior, foi adotado o sistema de dividir os clubes em séries e seus vencedores decidiram, na forma "Melhor de Três", o título máximo da temporada. As equipes tecnicamente mais fortes ficaram na Série Azul: Santa Cruz, Náutico, Sport, Flamengo, Torre, Íris, América e Encruzilhada.
O aproveitamento na Primeira Divisão de clubes como o Varzeano, Great Western, Ateniense, Encruzilhada, Íris e Fluminense, foi uma maneira hábil encontrada pelo presidente da Federação Pernambucana de Desportos (FPD), para ter de volta, aos campos da Federação, o grande público que estava sendo atraído para os subúrbios, levado pelo movimentado certame promovido pela Associação Suburbana de Desportos Terrestres.
Decidindo o título de campeão da Série Azul, Santa Cruz e Sport jogaram na Avenida Malaquias, a 10 de novembro de 1933. Os tricolores estavam com 22 pontos ganhos, enquanto os rubro-negros tinham 23. Um simples empate daria o título da série ao Sport, e, consequentemente, do campeonato, pois ninguém acreditava que rubro-negros ou tricolores perdessem para o vencedor do outro grupo. A decisão do campeonato estava, pois, praticamente, nesse jogo.
O Santa Cruz havia começado a sua arrancada logo pela manhã, quando sua equipe juvenil derrotou a do América por 2x1, conquistando o título da categoria. À tarde, na preliminar, os tricolores ganharam também o campeonato dos 2ºs quadros, derrotando o Sport por 5x2. Restava a partida principal. O campo estava cheio e com a presença ilustre do Interventor Federal, coronel Jurandir Mamede. A torcida tricolor, gozando à do Sport, dizia que seu clube já feito "barba" e "bigode", faltando apenas o "cabelo".
Além de entrar em campo com a vantagem de jogar pelo empate, o Sport fez um gol de frente, através de Alemão. Mas, antes que acabasse o primeiro tempo, o Santa Cruz empatou com um golaço de Limoeiro. Na fase final o jogo cresceu muito de entusiasmo e Tará desempatou para, logo depois fazer mais outro tento. Com 3x1 a seu favor, o Santa tranquilizou-se. Porém, uma brincadeira de Zezé Fernandes quase estraga a festa tricolor. Ao receber um passe, Zezé parou a bola e sentou em cima dela, debochando dos jogadores do Sport. O árbitro Harry Leça puniu o tricolor com uma falta, que terminou redundando no 2º gol rubro-negro. Imediatamente, os jogadores do Sport correram com a bola para o centro, colocando-a no local para nova saída. Assim que Tará empurrou a bola para Limoeiro, o jogo acabou e a festa do tri começou. Santa Cruz: Diógenes; Sherlock e João Martins; Marcionilo (Julinho), Sebastião, Zezé (Ernane); Walfrido, Limoeiro, Tará, Lauro e Carlos Benning. Sport: Muniz; Alderito e Fernando; Bivar, Paulo e Brivaldo; Alemão, Gayoso (Seixas), Julinho, Marcílio e Rodolfo.Participaram da campanha do tricampeonato, os seguintes jogadores: Diógenes, Sherlock, João Martins, Marcionilo, Sebastiãi, Zezé Fernandes, Walfrido, Limoeiro, Tará, Lauro Monteiro, Carlos Benning, Dadá, Fernando Melo, Ernane, Zolocovick, Júlio Fernandes, Estevão Pequeno e Artur Danzi.
A Federação só proclamou o Santa Cruz campeão de 1933 em março de 1934, quando os tricolores venceram duas vezes, por 5x2, na "Melhor de Três", a equipe do Varzeano, campeão da Série Branca.

Fonte: História do Futebol em Pernambuco, Capítulo 30, Diário de Pernambuco, Recife, terça-feira, 1 de agosto de 1995, pag. B-5.


Nenhum comentário: