segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Bala amiga?


Ele está voltando!

BALA AMIGA?

Clóvis Campêlo

O meu amigo Renato Boca-de-Caçapa, filósofo do povo e torcedor fanático do Santinha, costuma dizer que jogador de futebol é feito mulher sem-vergonha: vai atrás de quem oferecer mais dinheiro! E contextualiza: “Bastou aparecer mais dinheiro na jogada para que Leandro Souza resolvesse ficar no Arruda”.
É claro que não concordo muito com essa visão emotiva e pessimista do grande pensador. Prefiro interpretar essa falta de compromisso com a palavra assumida (no caso de Leandro Souza, com o pré-contrato assinado) como uma decorrência natural do futebol nos dias de hoje. Afinal, o jogador de futebol tem uma vida profissional curta e tem que correr atrás das oportunidades surgidas. Além do mais, o ídolo de hoje, pode ser o renegado de amanhã. Tanto a torcida quanto o clube também alimentam as suas leviandades. Mas, para a felicidade geral da nação coral, o negão vai ficar e reforçar a nossa zaga, que ontem claudicou diante do Belo Jardim.
Um outro assunto polêmico é o retorno de Carlinhos Bala para as Repúblicas Independentes do Arruda. Cria da casa, polêmico, Carlinhos Bala até hoje desperta amor e ódio entre os corais. Se dentro da direção do clube existe uma divisão quanto à sua contratação, já definida, no seio da torcida as mágoas e ressentimentos são maiores. Ninguém perdoa a sua debandada para o clube da Ilha. Mas, penso também que bastará que ele corresponda dentro de campo para novamente cair nas graças da galera. A minha dúvida, compartilhada por Renato Boca-de-Caçapa, é justamente essa: o grande artilheiro ainda terá pernas para isso? Sabemos que ele nunca foi craque e que tinha na velocidade a sua grande arma. Aos 34 anos, ainda terá todo esse pique?
Mudando de pato para ganso, ontem, no Arruda, foi o dia da nossa estreia no Pernambucano 2012. Quem pensou que teríamos um jogo fácil, enganou-se. O Belo Jardim foi um osso duro de roer e vendeu caro a derrota. No final, com dois gols de Wesley, de penalti, consolidamos o placar de 2x1. Bonita mesmo, mais uma vez, foi a presença da torcida mais apaixonada do Brasil (esse sloglan vale ouro!). Mais de 28 mil torcedores e um colorido especial. Se essa não foi a vitória que queríamos, aquele time que jogou também não é o que queremos. Falta ataque e uma melhor qualidade no meio de campo, que oscila em função das atuações de Wesley e Renatinho, que ontem não estiveram bem. A defesa também precisa de uma melhor consistência e qualidade.
Como em terra de cego quem tem um olho é rei, a volta de Leandro Souza, o retorno de Carlinhos Bala e a estreia dos atacantes que se encontram no estaleiro, pode fazer a diferença.
Além do mais, já nos acostumamos a enfrentar e superar obstáculos. O bicampeonato vale a pena. Todos nós sabemos disso.


Um comentário:

Bráulio de Castro disse...

Carlinhos Bala é o Adriano do nordeste, só encrenca e nada mais.