domingo, 25 de março de 2012

A família Teodoro


A FAMÍLIA TEODORO

Clóvis Campêlo

Amigos corais, não foi fácil mas vencemos. Ontem à noite, no Arruda, o Araripina foi um osso duríssimo e nos vendeu muito caro a derrota por 3x2. Mas, arrancamos os três pontos e chegamos, mesmo que temporariamente, ao segundo lugar na tabela de classificação.
Dentro de campo, o Santinha alternou alguns momentos de letargia e desatenção, mas, no cômputo geral, superou-se da maneira como a torcida gosta e sempre quer ver o time fazer.
Antes do jogo, veio a tona o imbróglio que envolve o treinador Zé Teodoro e o volante Léo. Zé abriu o verbo e tentou justificar a barração do jogador, um dos mais defendidos pela torcida coral.
Ao mesmo tempo, as colocações feitas pelo dirigente Constantino Júnior trouxeram à tona, mais uma vez, a compreensão de que ele e Zé Teodoro nem sempre falam a mesma língua.
Como treinador do time, Zé Teodoro tem todo o direito de escalar quem ele bem quiser e entender, devendo ter, no entanto, o discernimento o sentimento de justiça necessários para que não perca e respeito diante do elenco.
Eu, particularmente, confesso que não gostei da atuação de Léo como meia, diante do Salgueiro.  Pareceu-me lento, desinteressado e sem vontade de jogar. A sua substituição, no segundo tempo, trouxe resultados positivos, com o time atuando melhor.
Zé Teodoro deve ter as suas razões. Também entendo que Constantino Júnior, no seu papel de dirigente, defenda o jogador como um patrimônio do clube e que, afirmando-se como titular e jogando um grande futebol, possa despertar interesses de outras equipes e trazer os dividendos necessários para a agremiação. Talvez tenha faltado aos dois um pouco de parcimônia ao externar as suas visões. Por isso, confesso que temi pelo desempenho do time ontem.
No final, apesar do susto que o Bode nos deu, conseguimos superar tudo isso e vencer.
Se no ano passado o elenco nos parecia mais coesa nas suas relações entre si e com o treinador, dentro e fora de campo, este ano ficamos coma impressão de que o clima já não é o mesmo e de que algumas arestas precisam ser aparadas já. Precisamos ressuscitar a Família teodoro dentro de campo. Fora dele, a direção coral precisa mostrar a mesma coesão de antes. Isso tranquilizará a todos nós que sonhamos e desejamos o sucesso coral.
Ontem, diante de um público de mais de 21 mil torcedores, com gols de Dênis Marques, William Alves e Carlinhos Bala, vencemos com Tiago Cardoso; Diogo (Sandro Manoel), William Alves, Évertron Sena e Renatinho; Memo, Anderson Pedra, Wesley (Natan) e Luciano Henrique; Geílson (Carlinhos Bala) e Dênis Marques.
Para mim, foi comovente a declaração do jogador Rosembrik, do Arararipina, após o jogo, afirmando que sonha em dia poder voltar a jogar no Santinha e poder dar grandes alegrias a sua torcida.
Rosembrik, que é indiscutivelmente um grande jogador de futebol, foi um dos destaques corais nas campanhas de 2005, tanto no Estadual como no Brasileiro da Série B.

Nenhum comentário: