domingo, 17 de dezembro de 2017

Orgulho dos tricolores, Arruda nasceu com apoio da torcida e aval do Rei Pelé



ORGULHO DOS TRICOLORES, ARRUDA NASCEU COM APOIO DA TORCIDA E AVAL DO REI PELÉ

Brenno Costa

Essa é uma história que precisa ser lembrada para o mais jovens. Eles precisam ter noção ainda maior da capacidade de mobilização dos tricolores. É a prova cabal e gigante do amor de uma nação por um time de futebol centenário. É a história do Arruda. Símbolo maior da união entre o clube e seus seguidores. O ano era 1965. A torcida decidiu aceitar a convocação. Era preciso doações para tirar o sonho do papel. Construir um colosso. De imediato, o espaço em que hoje está o parque aquático ficou cheio. De tijolos, cimento, areia, ferro. E amor. Estava fincada a base da nova casa coral.
Lembram os tricolores da velha guarda que o local onde hoje está o parque aquático ficou tomado de materiais de construção em 15 dias. Diziam ter o suficiente para dar cara a primeira versão do estádio. E foi assim. O clube precisava de doações para ter a sua casa. O coração tricolor começou a pulsar. O anel inferior do estádio ganhou corpo. Mas foi só em 1972 que o setor ficou completo. Na ocasião, houve a disputa da Minicopa do Mundo, em comemoração aos 150 anos da Independência do Brasil.
Essa obra só ficou pronta, contudo, quando o Tricolor conseguiu as provas bancárias de que conseguiria pagá-la. Foi quando o clube colocou cinco mil e seiscentas cadeiras cativas como garantia. Em um primeiro momento, as vendas foram mornas. Até que o governo do estado criou uma empresa para administrar as cadeiras. Tudo começou a fluir e, na sequência, o Santa Cruz conseguiu quitar seus débitos.
Até o rei Pelé se mostrou à favor da ampliação do Arruda. Aliás, ele foi a testemunha da assinatura de contrato que liberou a verba para a obra. “Há muito o Recife merecia um grande estádio, mas esta ocasião é bastante oportuna, uma vez que deste estádio estava dependendo a realização aqui dos Jogos da Minicopa”, disse o atleta do século, ao Diario de Pernambuco.
O Mundão do Arruda, contudo, só veio a ficar completo dez anos depois. Em 1982, após o ex-presidente Rodolfo Aguiar apresentar a proposta de construção o anel superior ao então governador Marco Maciel, o estádio ficou com a forma atual. Foi inaugurado com a disputa de um quadrangular com Central, Sport e Náutico. O Tricolor foi eliminado de cara pela Patativa na disputa dos pênaltis, em um jogo com lotação máxima. Mas, nesse caso, a primeira impressão ficou longe de ser o retrato da relação do time com o estádio.
Agora, o Santa Cruz sonha em dar o próximo passo. A intenção é deixar a casa de todos os tricolores com ares modernos e inserir de vez o estádio no conceito tão propalado de arena multiuso. Foi com esse objetivo que foi planejada a Arena Coral, em 2007. Nos planos, além de colocar cobertura na praça esportiva e fechar o anel superior, está a construção de um centro comercial popular. O orçamento para construir a arena é de R$ 200 milhões.


Como foi a história

1943 - O Santa Cruz alugava o terreno onde seria construído o estádio. O clube pagou Cr$ 1.000,00 (mil cruzeiros) para adquirir o local.

1954 - O então prefeito do Recife, José do Rego Maciel, viabilizou a atração de investimentos para a construção do estádio. O principal deles foi o Bandepe. Antes do Mundão, foi construído o "Alçapão do Arruda", um estádio acanhado, que tinha arquibancadas de madeira.

19/11/1959 - O Arruda antigo, em 1959: as arquibancadas, acanhadas, eram de madeira e o campo era invertido, com uma das traves voltadas para a Avenida Beberibe.

1965 - O Arruda começou a ser construído, com a venda de cadeiras cativas e títulos patrimoniais. Um ano antes, o então presidente tricolor, José do Rego Maciel, conseguiu empréstimos a fundo perdido.

07/4/1966 - O setor que hoje são as sociais, foi o primeiro a ser construído.

15/5/1966 - O primeiro jogo no Arruda. O Santa Cruz venceu o Belenenses de Portugal por 2x1.

22/5/1966 - O jogo que abriu oficialmente o estádio. O Santa cruz perdeu para o Náutico por 1x0.

11/5/1967 - Data da inauguração da iluminação. Com Pelé em campo, o Santa cruz perdeu para o Santos por 5x0, com um gol do rei do futebol.

29/6/1968 - mesmo em obras, o estádio recebia jogos. Detalhe: em 1968 ainda não havia fosso e um pequeno trecho das cadeiras cativas havia sido construído.

5/12/1971 - Arruda em obras para a Minicopa de 1972. Existiam três projetos no Recife para o torneio de Santa Cruz, Náutico e Sport. Só o Mundão estava em obras e por isso foi escolhido pelo governo do estado, que investiu US$ 850 mil.

04/6/1972 - A inauguração oficial do Arruda. Santa Cruz e Flamengo empataram 0 a 0 em um jogo amistoso. No fim da manhã, foi realizada uma missa no setor de cadeiras do clube. Antes do jogo foi realizada uma cerimônia de inauguração, com hasteamento da bandeira do Brasil.

01/8/1982 - Reabertura do estádio, agora com anel superior, para um quadrangular entre Santa Cruz, Central, Náutico e Sport. O Timbu foi o campeão em uma final contra o Central. O estádio, mais uma vez, estava superlotado, com 86.738 torcedores. Foi a última ampliação.

Curiosidades

Maior público: 96.200 pessoas, em 29/8/1993, Brasil 6x0 Bolívia, Eliminatórias para a Copa do Mundo 1994.

O maior artilheiro do Arruda: Baiano (70 pelo Náutico, 56 pelo Santa Cruz, 1 pelo Sport e 1 pelo Central.

O maior artilheiro pelo Santa Cruz: Betinho, 98 gols.

Capacidade atual: 60.044 pessoas.


Fonte: Diario de Pernambuco, 03/02/2014

Nenhum comentário: